Exportações de soja brasileira crescem 19,1% até julho

Exportações de soja brasileira crescem 19,1% até julho

Paranaguá exportou 6,8 milhões de toneladas de soja nos sete primeiros meses do ano

Paranaguá exportou 6,8 milhões de toneladas de soja nos sete primeiros meses do ano

Henry Milleo/Gazeta do Povo
Autor: Agronegócio Gazeta do Povo (AgroGP) – agro@gazetadopovo.com.br

O Brasil exportou 6,08 milhões de toneladas de soja a mais nos sete primeiros meses de 2014 em comparação ao ano passado, informou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) nesta segunda-feira (18). Foram 37,84 milhões de toneladas embarcadas contra 31,76 milhões de toneladas em 2013, crescimento de 19,1%. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projeta que o país exporte 46,56 milhões de toneladas de soja em grãos até o fim deste ano.

O Porto de Santos liderou o ranking de carregamentos (12,65 milhões de t), seguido de Paranaguá (6,8 milhões de t), Rio Grande (5,92 milhões de t) e São Francisco do Sul (4,29 milhões de t).

O ministério atribuiu o crescimento a medidas criadas pelo grupo de trabalho para gestão do escoamento de safra, formado por governo e entidades do setor. O secretário-executivo do Mapa, Geraldo Fontelles, destacou melhorias operacionais nos portos paulista e paranaense. Em Paranaguá, foi adotado o sistema de “berço expresso” para o carregamento de navios que contam com, no máximo, três operadores. “Alguns embarques tiveram redução de até 36 horas no tempo de atracação”, ressaltou.

As exportações de soja pelo Porto de Paranaguá cresceram 36,8% no período, conforme dados do Mapa. No terminal paulista, o volume embarcado aumentou 11,84%.

Segundo Fontelles, o aumento da capacidade de embarque na Ponta da Madeira (Itaqui), de 1,8 milhões de toneladas para 3,7 milhões de toneladas, e o início de operações em Miritituba (agregando 2 milhões de toneladas ao Arco Norte) também foram importantes no desempenho do país.

O grupo de trabalho seguirá trabalhando para o escoamento da próxima safra. “Estamos avaliando os gargalos existentes para o escoamento, a dimensão da próxima safra e as necessidades de logística para a sua movimentação. Também é prioridade indicar medidas de gestão e da imediata criação de infraestrutura para maior aproveitamento dos portos localizados no Arco Norte”, explicou.

Fonte: Agronegócios / Gazeta do Povo

Sobre o Autor

Deixar uma resposta




  • Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish